Experiências de Detetives que são contratadas na maioria dos casos para flagrar traição

Experiências de Detetives que são contratadas na maioria dos casos para flagrar traição

No caso do escritório de Angélica Auriani (foto), 99% dos casos se referem à investigação de suspeita de infidelidade. As mulheres compõem a maioria de sua clientela, na proporção de 70%.

A maioria das mulheres pede que o marido seja pego em flagrante com a amante, disse Angélica a Rodrigo Bertolotto, do Uol Notícias. Segundo ela, há até mulher que paga apenas para saber se a amante é bonita.

Angela Bekeredjian é a veterana dos detetives particulares no Brasil. Faz investigação há 45 anos. (Já deixou o seu legado)

O site do seu “escritório de inteligência” informa que, ao longo desse tempo, cuidou de mais de 6.000 casos – nem todos sobre traição conjugal.

Ela informa ter uma equipe para perseguições em qualquer ambiente. Releva que em um dos casos um de seus agentes, um gay, flagrou o marido de uma cliente se ‘distraindo’ com outros homens em uma sauna.

Angela-BekeredjianFormada em psicologia, Angela (foto) começou a entrar no negócio de investigação de traições conjugais quando flagrou o seu marido com a amante. Com dois filhos, ela deu uma segunda chance ao marido, e ele voltou a traí-la.

“Transformei o meu drama pessoal em carreira profissional”, diz. “O que aconteceu comigo ocorre com muita gente até hoje.”

Pesquisa feita em 2008 pelo Ministério da Saúde sobre o comportamento sexual dos brasileiros revela que, das 8.000 pessoas entrevistas, o percentual de homens que traem a esposa ou a namorada foi de 21%. Em relação às mulheres, a taxa de traição de foi 11%.

Ou seja, por essa pesquisa, Angela, Angélica e tantos outros profissionais da investigação têm um enorme mercado de clientes.

 

Fonte: Paulopes