Os limites da atuação de um detetive

Os limites da atuação de um detetive

55As consequências a partir das provas reunidas são sempre extrapenal. Ou seja, um marido pego em flagrante traindo sua esposa não vai ser preso por isso. Qualquer solução que envolva a prisão de alguém sai da alçada do detetive e passa a ser da polícia. Lembrando, o detetive não é policial, por isso não pode dar voz de prisão.

Voltando ao ponto anterior, o detetive particular pode auxiliar a polícia, sim. Para isso, basta a autorização do delegado responsável pelo caso que o detetive estiver envolvido – ou queira se envolver.

E se uma pessoa com complicações criminais quiser contratar o serviço de um detetive? Essa é uma das regras que o profissional de investigação não pode quebrar. O detetive não pode colaborar com nenhuma prática criminosa.

Ainda que seja sedutor trabalhar como James Bond –, ele não pode atuar em casos criminais. Bond só pode porque é agente do governo britânico. Longe do glamour de Hollywood, o detetive particular é um profissional comum, mas que detém conhecimento e experiência fora do comum na arte de investigar.

Em resumo, detetives não podem infringir qualquer lei. Na coleta de provas, os fins não justificam os meios e tudo deve ser feito com cautela. Respondendo à pergunta do começo sobre invasão de privacidade, os detetives particulares não podem acessar computadores ou telefones. Entretanto, esse não é o único jeito de coletar provas e solucionar o caso.

 

Fonte: Agência Líder