Conheça a mitomania, o distúrbio que causa compulsão pela mentira

Conheça a mitomania, o distúrbio que causa compulsão pela mentira

A mentira obsessivo-compulsiva é um transtorno psicológico também conhecido como mitomania, em que o mentiroso mente para se sentir encaixado e aceito pela sociedade, aumentar sua autoestima, ter assuntos para as rodas de conversa e impressionar amigos e colegas de trabalho, por exemplo.

Por se tratar de um hábito constante, o mitômano cria desentendimentos a seu redor no trabalho ou nos relacionamentos pessoais e, em grande parte dos casos, ser descoberto não o faz admitir o erro, nem parar de inventar histórias.

Segundo os especialistas, o mitômano não consegue desfazer suas mentiras, até quando prejudicam as pessoas próximas a ele. E, apesar do doente ter consciência dos seus atos, isso não é o suficiente para impedi-lo de continuar.

Como um detetive pode ajudar?

Caso desconfie de uma pessoa com mitomania, um detetive particular pode ser contratado para fazer um levantamento de evidências que comprovem se há ou não a doença.

Para que isso seja possível, diversos aspectos da vida do investigado serão levantados, e analisados minuciosamente, dentre eles o seu comportamento nas redes sociais, relacionamentos anteriores, convívio familiar, redes de amigos e vida profissional.

A partir da descoberta do distúrbio, pode-se confrontar o doente com as provas para persuadi-lo a buscar por um diagnóstico mais detalhado com a avaliação de um psicólogo ou psiquiatra.

Vale ressaltar que o apoio de amigos e familiares é extremamente importante para o mitômano no processo de aceitação e tratamento do problema.

A investigação também pode ser necessária quando se está envolvida amorosamente com uma pessoa suspeita de mitomania. Antes de criar vínculos mais sérios, certifique-se de que não está diante de um mentiroso compulsivo.

O trabalho do detetive é fundamental para coletar as evidências que comprovem a mitomania e, assim, impeçam que essas mentiras destruam as vidas ao redor do doente.

 

Fonte: Detetive Daniele