Como funciona a investigação de crianças desaparecidas?

Como funciona a investigação de crianças desaparecidas?

Segundo pesquisa realizada pelo Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos (Plid), de 2013 a 2016, a cada dez pessoas desaparecidas no Estado de São Paulo, quatro eram crianças ou adolescentes. Diante dessa alta estatística, como as autoridades atuam? Será o suficiente ou é necessário recorrer a um detetive particular para fazer a investigação de crianças desaparecidas?

Apesar de a polícia ter um papel fundamental na investigação de crianças desaparecidas, contratar um detetive particular para realizar a investigação de crianças desaparecidas pode ser decisivo para que o menor de idade seja encontrado rapidamente. Entenda como agir diante de um caso assim.

Quando registrar o desaparecimento?

Graças aos filmes hollywoodianos, é muito comum que as pessoas achem que é necessário aguardar 48 horas antes de registrar um boletim por desaparecimento. Entretanto, não é bem assim na realidade! O boletim deve ser realizado assim que for identificado o sumiço e, no caso de crianças e adolescentes, a lei 11.259/2005 garante que a investigação deve ser iniciada imediatamente.

Na verdade, essa urgência em contatar as autoridades ou o detetive particular é decisiva para que as pistas sejam identificadas mais facilmente e o jovem seja encontrado.

Como é feita a investigação de crianças desaparecidas pela polícia?

Primeiramente, após o registro do boletim de ocorrência, as autoridades iniciam as investigações em hospitais e no Instituto Médico Legal (IML) para descartar possibilidades como acidentes. Se a criança não for encontrada, assumem-se as suspeitas de sequestro e assassinato. Assim, é permitida a quebra de sigilo, como telefônico, para tentar monitorar os últimos passos do desaparecido.

Por fim, a polícia comunica os outros órgãos (rodoviárias, aeroportos, hospitais) sobre o desaparecimento, principalmente para evitar o tráfico de menores.

Como o detetive particular pode ajudar?

Infelizmente, com tantos casos, a polícia pode não atender a demanda de desaparecimentos. Em contraponto, o detetive particular está pronto para direcionar toda a atenção para cada caso de investigação de crianças desaparecidas. Outro diferencial do detetive particular é que ele consegue se infiltrar em diferentes ambientes sem chamar atenção.

Além disso, os aparatos tecnológicos disponíveis são extremamente úteis para toda a investigação. Agora, como ele realizará esse trabalho? Primeiramente, o detetive particular coletará informações básicas, tais como:

Nome completo

Fotos atuais

Endereços de casa/ escola/ trabalho

Telefone

Endereço de amigos

Locais que costuma frequentar

Última vestimenta utilizada

Por fim, última vez que a criança ou adolescente foi visto

Posteriormente, o detetive particular conversará com a família do desaparecido e demais pessoas que estejam no círculo de convívio. Assim, poderão ser identificadas motivações para o desaparecimento e, a partir desses dados e de anos de experiência, o profissional decide como conduzir a investigação de crianças desaparecidas.

O detetive particular substitui o trabalho policial?

A resposta é simples: não. A primeira ação a ser tomada é entrar em contato com a polícia, pois, ela garantirá as primeiras orientações. Para que você tenha uma ideia da importância desse estágio, em São Paulo, foram localizadas 24.139 pessoas de um total de 26.489 desaparecimentos em 2016. Isto é, o trabalho policial ainda é extremamente relevante!

Como forma de fortalecê-lo, você pode recorrer às redes sociais. Sabemos que os jovens estão ativos no mundo virtual o tempo todo, o que pode ser usado a favor de uma investigação. Além disso, também há sites específicos para busca por pessoas desaparecidas, como o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desaparecidos e a Secretaria de Segurança Pública.

Para complementar a investigação de crianças desaparecidas, frisamos o trabalho do detetive particular. Esse profissional desempenha um trabalho importante de reforço junto à polícia, oferecendo dados ou pistas adicionais para que o caso seja solucionado.

 

Fonte: Bem Minas